Tipos de fibras musculares

Escrito pelo Prof. Esp. e MBA Danilo Luiz Fambrini

Referência da imagem: anapat.unicamp

             Considerando a diversidade de atividades exercidas no dia-a-dia, o corpo humano desenvolveu músculos capazes de desempenhar funções específicas de acordo com a necessidade. Justifica-se, portanto, a existência de células musculares próprias para contrações rápidas (explosão) e lentas (resistência),que, apesar das diferentes características, atuam em conjunto, alternando-se apenas a predominância da utilização de cada uma de acordo com a atividade desempenhada.

            As fibras musculares do tipo I são de cor avermelhada por possuir em grande quantidade de mioglobina e mitocôndrias (organelas celulares responsáveis pela produção de energia). Seu citoplasma é rico em enzimas que utilizam o oxigênio como principal substrato energético, caracterizando-as,portanto, como fibras de contração lenta. Quando o corpo humano necessita de uma maior resistência muscular para uma atividade prolongada, utiliza-se,predominantemente, desse tipo de fibra muscular (POWERS; HOWLEY, 2005).As fibras musculares do tipo IIa são um subgrupo de fibras de contração rápida e contém numerosas mitocôndrias, embora menos que as fibras do tipo I.

            Este tipo de fibra também é resistente ao esgotamento e parece ser adequado para atividade de resistência e para contrações fortes de pouca duração(GENESER, 2000). Possuem uma coloração mais pálida por apresentarem umnúmero menor de capilares sangüíneos e, consequentemente, menor suprimento de oxigênio. Por conta disso, utilizam a glicose como principal fonte de energia.

            Já as fibras do tipo IIb contraem-se com rapidez e correspondem as fibras brancas. Em geral são as fibras mais grossas e formam grandes unidades motoras. Contém apenas escassas mitocôndrias, relativas à massa miofibrilar, e se esgotam muito rapidamente. Utilizam como principal fonte energética um composto denominado ATP (Adenosina Trifosfato), ideal para atividades que exigem um intenso trabalho muscular com uma elevada geração de força, porém,em um curto espaço de tempo (explosão) (GENESER, 2000). A maior parte dos músculos constitui-se de uma mistura destes três tipos de fibras, mas a distribuição percentual dos três tipos é distinta de um músculo para outro e de um indivíduo para outro.

            Segundo Gitirana (2007), na pagina 228 de sua obra: Nas contrações musculares habituais participam primeiro as fibras do tipo I mediante forças de contração baixas, como, por exemplo, as correspondentes à atividade dos músculos em posição ereta. Diante de forças de contração crescentes, são incorporadas as fibras do tipo II, mas as fibras do tipo IIb logo são incluídas ante acelerações bruscas ou para contrações rápidas de curta duração.

Especial Periodização Parte V – Recomendações para programa de treinamento de Resistência.

Ler a matéria