O que é Cadeia Cinética Aberta e Cadeia Cinética Fechada?

Fonte: receiraanabolica

Fonte: receiraanabolica

Os termos cadeia cinética aberta e cadeia cinética fechada vêm sendo muito usados nos último anos no meio esportivo, em especial pela comunidade da reabilitação. Neste período muitas pesquisas têm sido realizadas sobre o tema, a maioria  envolvendo os exercícios para membros inferiores na reabilitação do ligamento cruzado anterior (LCA) (SHELBOURNE & NITZ, 1992, HENING et al., 1985).

A definição comumente utilizada para classificar exercícios em cadeia cinética é a de que, se o segmento distal estiver livre para se mover no espaço e não sustentar o peso corporal, a cadeia é considerada aberta, e na ocorrência do contrário a cadeia é considerada fechada (HENING et al., 1985; JURIST et al., 1997).

Tal conceituação surgiu na década de 70 e Rodrigues (1993) destaca que as diferenças entre as duas formas de movimentação são tanto biomecânicas quanto fisiológicas.

Steindler (1973), descreveu a CCF como situações nas quais a extremidade distal do segmento é mantida fixa, criando assim um sistema fechado onde o movimento em uma articulação produz movimento em todas as articulações do sistema, de forma previsível; e CCA aquela situação em que o segmento distal está livre para se mover.

Apesar da definição anterior ter sido adotada desde então, existem algumas dúvidas com relação a alguns exercícios. Dufour et al. (1989) também divide as cadeias cinéticas em CCA e CCF. Na CCA a extremidade distal está livre enquanto na CCF esta encontra-se fixa e o movimento inicia pelo deslocamento da extremidade proximal e as demais articulações acompanham o movimento. Porém, este autor ainda descreve que no primeiro tipo (CCA) o recrutamento dos músculos é sempre proximal-distal e no último (CCF), de um modo geral, é distal-proximal e neste caso inverte o sentido da força muscular. Além disto, o autor cita casos que não se enquadram de forma adequada em nenhuma das duas classes precedentes, denominando-os de Cadeia Freiada, nestes casos o exercício poderá ser considerado como CCA se a resistência externa distal for menor que 15% da resistência máxima quea cadeia pode deslocar ou, se for maior que 15%, o exercício poderá ser considerado como CCF.

Para ilustrar, abaixo seguem exemplos de exercícios de Cadeia Cinética Aberta (CCA) e Cadeia Cinética Fechada (CCF), expostos pelo site Definição Total:

Cadeia Cinética Fechada:

– Agachamentos (no lugar)

– Levantamento terra

– Stiff

– Barra Fixa

– Paralelas

– Flexão de braços

Cadeia Cinética Aberta:

– Supinos (Detalhe: exercício multiarticular)

– Puxadas (Detalhe: exercício multiarticular)

– Remadas (Detalhe: exercício multiarticular)

– Roscas bíceps;

– Tríceps pulley alta, testa, francês;

– Abdução e elevação frontal de ombros;

– Cadeira extensora

– Cadeira ou mesa flexora

– Crucifixo com halteres

Referências

  • Shelbourne KD, Nitz P. Accelerated rehabilitation after anterior cruciate ligament reconstruction. J Orthop Sports Phys Ther. 1992;15(6):256-64.
  • Hening CE, Lych MA, Glick JR. An in vivo strain gauge study of elongation of the anterior cruciate ligament.  Am J Sports Med. 1985;13(1):22-6.
  • Jurist KA, Otis JC, Fitzgerald GK. Anteroposterior tibiofemoral displacements during Open versus closed kinetic chain exercises: issues in rehabilitation after anterior cruciate ligament reconstructive surgery. Phys Ther. 1997;77:1747-54.
  • RODRIGUES, A. Joelho no Esporte – Técnicas Avançadas de Avaliação e Tratamento nas Lesões Ligamentares. 1a edição, CEFESPAR, SP, 1993.
  • STEINDLER, A. Kinesiology of the human body under normal and pathological conditions. Springfield, IL: Charles C. Thomas, 1973.
  • DUFOUR, M.; GENÓT, C.; NEIGER, H.; LEROY, A.; PIERRON, G. e PÉNINOU, G. Cinesioterapia: Avaliações Técnicas Passivas e Ativas do Aparelho Locomotor. Volume 1: Princípios. Ed. Médica Panamericana, SP, 1989.

Análise tática – Organização defensiva Manchester City [vídeo]

Ler a matéria

Como ser um bom zagueiro no futebol – Dica da técnica dos zagueiros modernos [VÍDEO]

Ler a matéria