O que são Cãibras musculares?

Créditos: Prof. MBA. Esp. Danilo Luiz Fambrini

Referência da imagem: runnersworld

Sem dúvida em diversos momentos e ambientes, em especial no âmbito esportivo, você já ouviu alguém se queixando de cãibras, aliás, quem nunca passou por isso?

Na publicação atual iremos trazer informações acerca das cãibras, conceitos, sintomas, locais mais frequentes.

 

As cãibras musculares estão entre as queixas mais frequentes aos médicos, sendo que todos já passaram ao menos uma vez por essa situação (PARISI et al., 2003).

A nomenclatura “cãibra muscular” foi utilizado pela primeira vez na década de 30, segundo a literatura por Talbot (1932, 1935), sendo utilizado o termo até hoje, mesmo que com alguma dificuldade em defini-la (CARVALHO & MARA, 2010; STONE et al., 2010).

Posteriormente, foi sugerida a definição de que a cãibra se trata de uma “contração muscular súbita, localizada, involuntária, contínua e dolorosa” (BALDISSERA et al.,1991; ROSS & THOMAS, 1995), sendo que essa contração pode ocorrer em qualquer parte do corpo. (JANSEN et al., 1990). A literatura ainda destaca o fato de que durante um “ataque” de cãibra é possível visualizar e palpar quase que a totalidade dos músculos afetados  (ROWLAND 1985; BALDISSERA et al.,1991; ROSS & THOMAS, 1995).

Como identificar e intervir?

 

A literatura menciona que nos casos de cãibras musculares a dor na região afetada pode ser aliviada através de alongamentos ou massagens (ROWLANDI, 1985). E nessa condição é possível diferenciar a cãibra real de “cãibras ilusórias”, nas quais há sensação de cãibra, mas sem presença de contração muscular involuntária (ADAMS et al, 1953).

 

Quando ocorrem?

 

As cãibras musculares podem ocorrer por influência de uma série de fatores como uma forte contração voluntária (KHAN & BURNE, 2007), fadiga durante a prática de exercícios físicos (LAYZER, 1986, SCHWELLNUS et al., 1997), durante o sono (NICHOLSON & FALK, 1945), gravidez (OBA, 1967) ou existência de patologias como as neuropatias, doenças neuromotoras, desordens metabólicas, desequilíbrios hidroelétricos ou patologias endócrinas (PARISI et al., 2003; MILLER & LAYZER, 2005). As  contrações involuntárias decorrente das cãibras, em sua maioria, são de curta duração, no entanto, em caso de dores persistentes, pode ser necessária intervenção médica (MILLS et al., 1982). Schwellnus (1997) menciona ainda, que as cãibras musculares podem ocorrer como parte de um complexo sintomático de uma variedade de anormalidades congênitas ou adquiridas.

 

Aonde ocorrem?

 

Segundo o Prof. Dr. Luzimar Teixeira, os locais com maior incidência de Cãibras são:

  • Panturrilhas
  • Músculos anteriores e posteriores de coxa
  • Pés
  • Mãos
  • Pescoço
  • Abdômen

 

A publicação atual se referiu especificamente ao conceito de cãibras musculares, em publicações futuras iremos especificar fatores nutricionais e musculares para detalhar o assunto. Para não perder nenhum detalhe, curta nossa fanpage no Facebook.

 

Referências

  • PARISI L, AMABILE G, VALENTE G, CALANDRIELLO E, FATTAPPOSTA F, ROSSI P, et al. Muscular cramps: proposal for a new classification. Acta Neurol Scand; (107):176-86, 2003.
  • TALBOT TH. Heat cramps. Medicine (Baltimore). 1935; (14):323-76.
  • TALBOT TH, MICHELSEN J. Heat cramps: A clinical and chemical study. Journal of Clinical Investigations. 1932; (12):533-49.
  • CARVALHO T, MARA LS. Hydration and Nutrition in Sports. Rev Bras Med Esporte. 2010; 16(2):144-48.
  • STONE MB, EDWARDS JE, HUXEL KC, CORDOVA ML, INGERSOLL CD, BABINGTON JP. Threshold frequency of an electrically induced cramp increases following a repeated, localized fatiguing exercise. J Sports Sci. 2010; 15(28):7.
  • BALDISSERA F, CAVALLARI P, DWORZAK F. CRAMPS: a sign of motoneurone bistability in the human patient. Neurosci Lett. 1991; (133):303-06.
  • ROSS BH, THOMAS CK. Human motor unit activity during induced muscle cramp. Brain. 1995; (118):983-93.
  • JANSEN PHP, JOOSTEN EMG, VINGERHOETS HM. Muscle Crmp: Main Theories as to Aetiology. Eur Arch Psychiatr Neurol Sci. 1990; (239):337-42.
  • ROWLAND LP. Cramps, spasms and muscle stiffness. Rev Neurol. 1985; (141):261-73
  • ADAMS RD, DENNY-BROWN D, PEARSON CM. Disease of muscle. A study in pathology. Paul Hoeber (ed), NY USA. 1953;
  • KHAN SI, BURNE JA. Reflex Inhibition of Normal Cramp Following Electrical Stimulation of the Muscle Tendon. J Neurophysiol. 2007:6.
  • LAYZER RB. Muscle Pain, Cramps, and Fatigue. New York: McGraw-Hill. 1986:1907-22.
  • SCHWELLNUS MP, DERMAN EW, NOAKES TD. Aetiology of skeletal muscle ‘‘cramps’’ during exercise: A novel hypothesis. J Sports Sci. 1997; (15):277-85.
  • NICHOLSON J, FALK A. Night cramp in young men. N Engl J Med. 1945; (233):556-59.
  • OBA T. Study on leg cramp in pregnancy in Japanese. Acta Obstet Gynecol Scand. 1967; (19):459-68.
  • MILLER TM, LAYZER RB. Muscle cramps. Muscle Nerve. 2005; (32):431-42.
  • MILLS KR, NEWHAM DJ, EDWARDS RHT. Severe muscle cramps relieved by transcutaneous nerve stimulation: a case report. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 1982; 45(6):539-42.
  • SCHWELLNUS MP, DERMAN EW, NOAKES TD. Aetiology of skeletal muscle ‘‘cramps’’ during exercise: A novel hypothesis. J Sports Sci. 1997; (15):277-85.

10 trabalhos científicos sobre Voleibol para ler ou baixar, veja

Ler a matéria

Ação muscular no exercício Inferior na paralela [Vídeo]

Ler a matéria

Os segredos da Preparação Física no Futebol com desconto exclusivo, confira

Ler a matéria