A distância percorrida por um futebolista é importante?

Escrito pelo Prof. Esp e MBA Danilo Luiz Fambrini

O Futebol é um esporte mundialmente popular e que move milhões de pessoas, praticantes ou espectadores. Os praticantes, sendo eles amadores ou profissionais, buscam o melhor desempenho em campo buscando o ajudar sua equipe a alcançar ótimos resultados.

A intensidade e o volume de trabalho são influentes sobre a demanda fisiológica necessária em uma partida, e tais variáveis podem ser indicadas pela distância percorrida pelo atleta. As atividades exercidas pelos praticantes durante a partida e a intensidade das mesmas determinam o tipo de ação (HUGHES, 2003).

Estudos tem considerado que o perfil de taxa de trabalho é capaz de estimar a contribuição de cada sistema energético durante o jogo, como também identificar fatores para contribuição dos programas de treinamento (TUMILTY, 1993; BANGSBO, 1994).

A taxa de trabalho pode ser descrita pela distância percorrida pelo atleta e/ou pela frequência de suas ações dentro da partida (BANGSBO, 1994; STOLEN, et al.,2005).

Distância Percorrida em campo

Diversos estudos já foram produzidos visando comparar a distância percorrida pelos atletas de diferentes posições em campo, comparar níveis técnicos, entre outros.

Em tabela encontrada no livro Futebol: Ciências Aplicadas ao Jogo e ao Treinamento (Confira abaixo), podemos observar que a distância percorrida pelos jogadores de linha tem uma variação de 8000 a 12000 metros por jogo, sendo que alguns autores relatam que essa variação pode ser devido a diferença de métodos de avaliação (EKBLOM, 1986; REILLY, 2003).

12048458_911381092270053_367996304_n

Atividades ou ações na partida

Existe uma grande discussão sobre qual seria o diferencial entre as equipes dos diferentes níveis de rendimento esportivo.

Para tal missão, a distância percorrida pelo atleta não é capaz de mensurar. Como parâmetro, em pesquisa de Thatcher e Batterham (2004), notaram que a distância de atletas Sub-19 foi em média 600 metros superior aos atletas profissionais, o que nos faz pensar que mais importante que a distância percorrida, se faz o número de ações durante a partida e a distância percorrida em alta intensidade.

Com o passar dos anos o futebol tem se tornado mais ágil, duro e com menos espaços para grandes deslocamentos em baixa intensidade como acontecia anteriormente (SILVA NETO, 2013).

A quantidade de ações no jogo aumentaram muito nos últimos anos tornando as atividades anaeróbias, com maior intensidade, tornando a taxa de trabalho mais elevada e determinante para alcançar os resultados esperados.

Fatores que influenciam a taxa de trabalho

A literatura destaca fatores que influenciam a distância percorrida em campo e a taxa de trabalho, sendo eles:

  • Posicionamento no campo (RIENZI, et al, 2000)
  • Maior aptidão aeróbia (REALLY e WILLIAMS, 2003)
  • Diferentes estilos e sistemas de jogo (RIENZI, et al, 2000)
  • Nível de fadiga (RAHNAMA et al, 2003)
  • Nível competitivo (O´DONOGHUE et al., 2001).

A literatura destaca a diferença de distância percorrida de acordo com o posicionamento em campo, onde é de consenso que os meio campistas de uma forma geral apresentar maior distância percorrida em uma partida,principalmente quando tem a responsabilidade de apoiar a defesa e o ataque (STOLEN et al., 2005).

Rienzi et al. (2000) relata que os meio campistas tem ações mais aeróbias enquanto atacantes e defensores utilizam mais movimentos intensos e anaeróbios.

Outro fator que influência na distância percorrida pelo futebolista é o estilo de jogo, que pode variar de contra ataques rápidos, mantendo a posse de bola, estilo mais defensivo, lançamentos longos, etc.

Além deste, a fadiga é um fator determinante, pois, alguns artigos tem encontrado reduções nas distâncias percorridas pelos atletas no segundo tempo em comparação a distância alcançada durante o primeiro tempo de partida (ANANIAS et al., 1998; RAHNAMA et al, 2003).

Por fim, o nível competitivo também é uma variável que merece destaque, onde foi encontrada na literatura uma diferença significativa entre profissionais e amadores, onde os primeiros tiveram uma maior distância percorrida e maior número de ações durante as partidas (O´DONOGHUE et al., 2001).

Considerações

Podemos sugerir com os achados que a distância percorrida não é determinante de uma forma geral, apenas se houver uma quantia considerável de deslocamentos intensos, capazes de proporcionar momentos decisivos na partida (MOHR et al., 2003).

Dúvidas sobre recuperação pós jogo? Confira algumas sugestões.

Ler a matéria

Efeitos fisiologicos e na aptidão física em um período congestionado de partidas

Ler a matéria